Fascite plantar/esporão calcâneo e o papel da fisioterapia  

Fascite Plantar é uma inflamação no tecido que recobre os músculos da sola do pé, comumente chamada de esporão. É considerada uma lesão por estresse e, como qualquer lesão deste tipo, pode responder favoravelmente a um tratamento anti-inflamatório.

A inflamação crônica prolongada origina depósitos de cálcio e eventualmente, osso na porção da Fáscia Plantar que se insere no calcâneo. Quando visível numa imagem radiográfica, a protuberância óssea denomina-se de “esporão do calcâneo“. A origem da dor está na inflamação propriamente dita e não na presença do esporão do calcâneo.

A fáscia plantar é um ligamento que vai desde o calcanhar até próximo aos dedos (as cabeças metatársicas, que articulam com os dedos). A fáscia plantar, o “ligamento” que se torna doloroso, é o que contribui para a sustentação do arco interno do pé. Cobre os músculos da planta do pé e suporta tensões de (aproximadamente) 2,5 vezes o peso corporal ao caminhar, e 3 a 4 vezes em corrida.

Um estresse excessivo nesta região provoca um estiramento da fáscia, originando fissuras e inflamação. Entre as principais causas estão a retração do tendão calcâneo conhecido popularmente como tendão de Aquiles e pés com a curvatura acentuada, rígidos, pouco flexíveis ou pronados.

 

SINTOMAS: Os pacientes apresentam dor na área plantar do calcâneo, pior pela manhã ao colocar o pé no chão, sendo mais severa durante os primeiros passos, com melhora posterior e piora no final do dia. A dor é descrita como uma queimação profunda.

Com o passar do tempo e com o estresse repetitivo podem ocorrer microtraumas na origem da fáscia, gerando um processo inflamatório local, e posteriormente a imagem radiológica de um”esporão”.

 

TRATAMENTO: O tratamento é principalmente clínico, realizado por meio de exercícios de alongamento do tendão de Aquiles e da fascia plantar. Liberação miofascial dos músculos da panturrilha e desativação de pontos gatilhos e nódulos do mesmo.

O tratamento recomendado é relativo, depende do ambiente em que o paciente passa a maior parte do seu tempo, mas é importante a diminuição de atividades que produzam estresse sobre o calcanhar, utilização de palmilhas e órteses, anti-inflamatórios , pomadas e compressas.